Posted on

O Santo Graal

O Santo Graal, ao contrário do que muitos pensam e do que muitas lendas dizem, não se refere a um objeto na forma de um cálice (que, uma vez encontrado, seria a fonte da Sabedoria e da Vida Eterna), ou à Maria Madalena (que seria o receptáculo da linhagem de Jesus, como aventada pela literatura de ficção). Na verdade, trata-se do processo de evolução da consciência do homem e que, quando representado de uma forma esquemática, assume o formato de um cálice (Figura 1), onde:

  • O cone vermelho representa nosso ego (escrito com “e” minúsculo, por tratar-se de nossa personalidade mutante e temporária).  Essa personalidade é formada ao longo das diversas encarnações e reencarnação de cada indivíduo. À medida que evoluímos espiritualmente (seguimos em direção ao vértice do cone), nosso ego torna-se menor, mais sutil, menos denso, dando espaço para nossa essência divina se manifestar (raio amarelo no centro do cone), havendo, assim, uma expansão de nossa consciência, a qual passa a compreender melhor as leis do Universo.
  • O raio amarelo que percorre o eixo vertical no interior do cone vermelho representa o Ego (escrito com “E” maiúsculo, por tratar-se do verdadeiro Eu, a Centelha Divina presente em cada um de nós e que foi feita à imagem e semelhança do Criador). Observe-se que essa linha existe ao longo de toda a extensão do cone vermelho. Contudo, ela aumenta gradualmente de diâmetro à medida que se aproxima do vértice, representando que, à medida que nosso ego torna-se menos “denso”, possibilitamos, concomitantemente, uma maior manifestação de nosso Ego, uma expansão da consciência, da capacidade de percepção intuitiva.
  • A linha vertical que forma a cruz, na cor violeta, representa a descida do Espírito à matéria, onde o Espírito Criador (que está no alto), em um ato de sacrifício, criou a matéria (que está em baixo) para que sua criação pudesse se manifestar e coletar experiências, cabendo à criação, por sua vez (e também por um ato de sacrifício), trabalhar sua consciência individualizada (o ego) no sentido de retornar à consciência original (voltando para o alto, para o Criador), equiparando, assim, o ego ao Ego, ou, em outras palavras, a personalidade à Centelha Divina, formando-se, deste modo, um fluxo de descida e ascensão da energia espiritual.
  • A linha horizontal que forma o braço da cruz representa a Expansão da Consciência, consciência esta que vem sendo aprimorada ao logo de muitas reencarnações desde o surgimento do homem na Terra. O cruzamento das linhas vertical e horizontal representa um marco, o nascimento para uma nova vida, uma nova consciência, em que o Ego liberta-se o invólucro criado pelo ego.
  • O cone invertido, de cor amarela, localizado acima da linha horizontal da cruz, significa a Iluminação, estado onde o ego finalmente se equiparou ao Ego, havendo, assim, uma ampla abertura da consciência para receber a Consciência do Criador. É quando a base do cálice se transforma em bojo, em receptáculo, e o homem atinge um estado de graça indescritível, de real felicidade, de verdadeira paz de espírito, dominado pelo amor puro e sublime, onde verdadeiramente se conecta com o Todo, com a Consciência Cósmica, tendo início uma nova vida verdadeiramente holística.
  • A Espiral que envolve a base do cálice representa a força ascendente que impulsiona a evolução, à qual toda criação está sujeita, consciente ou inconscientemente, e que faz com que a criatura retorne ao criador. O movimento circular da espiral denota os ciclos à que tudo e todos estão sujeitos. Se olharmos a espiral de cima, veremos um círculo e o aparente retorno ao mesmo local a cada volta; contudo, ao olharmos para a espiral pela lateral, veremos que a cada volta avançou-se um degrau.
  • As esferas ou pontos ao longo da espiral representam as sucessivas reencarnações de um indivíduo, sendo que a distância entre um ponto e outro não representa o tempo entre duas encarnações, mas, sim, o progresso alcançado, onde: maior a distância, maior o progresso.
  • O fundo degradê da imagem representa a variação de densidade da matéria/energia, partindo do etéreo e sutil, no alto, ao denso e pesado, em baixo. Essa mesma variação de densidade está presente na composição de nosso ego, onde o apego ao mundo material o torna mais denso e, à medida que evoluímos espiritualmente, tornamos nosso ego mais sutil. 

A busca pelo Santo Graal, portanto, tem a ver com um processo de evolução espiritual, sendo este o verdadeiro propósito da vida, onde se busca o retorno (ou equiparação) da nossa consciência à Consciência do Criador, atingindo-se, assim, a Sabedoria e a Vida Eterna. É um processo feito passo a passo e requer devoção, abnegação, disciplina, amor e fé; exercícios diários de humildade, compaixão e sentimento de gratidão mesmo nas horas mais difíceis, atitudes estas diametralmente opostas às intensões almejadas por muitos dos que saíram pelo mudo em busca do “santo graal” objeto.

 

 

VOLTAR

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *